Campanha #MEUCORPONÃOÉPÚBLICO.

Um grupo de publicitárias mulheres criaram uma campanha contra a violência e o assédio sofridos pelas mulheres em sua circulação pela cidade, sobretudo no transporte público. Tudo começou em um grupo fechado de Facebook, criado em 2016 pela publicitária Ana Mattioni, chamado Mad Women, que inicialmente tinha o objetivo de unir mulheres que trabalham com criação e atualmente conta com 1.800 profissionais “empenhadas em transformar o mercado e, claro, a sociedade” (segundo divulgação do grupo).

Depois do acontecimento do dia 29 de agosto, quando um homem ejaculou em uma passageira de ônibus e não foi penalizado pelo juiz, as mulheres do Mad Women resolveram unir seus talentos de criação para realizar uma série de pôsteres com fotos, desenhos e frases a partir da hashtag da campanha #MEUCORPONÃOÉPÚBLICO.

Foram criados um “Tumblr” que reúne todas as artes de forma livre e em alta resolução para que qualquer pessoa possa baixar, imprimir e espalhar por aí: https://meu-corpo-nao-e-publico.tumblr.com/; e um projeto de financiamento coletivo no catarse para a impressão de adesivos e posters adesivos para serem espalhados pela cidade com a campanha: https://www.catarse.me/meucorponaoepublico_d379.

Continuar lendo

Anúncios

Seminário Internacional Fazendo Gênero 2017

Marcha Internacional “Mundos de Mulheres por Direitos” (foto: Feminismurbana)

Na semana de 30/07 a 04/08 aconteceu no campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, o 13º Congresso Mundos de Mulheres (MM) conjuntamente ao Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 (FG), com o tema “Transformações, Conexões, Deslocamentos”. Foi a primeira vez que o MM foi realizado na América do Sul. Os dois eventos integrados reuniram cerca de 10 mil mulheres* de todo Brasil e de diferentes países do mundo, unindo academia e movimentos sociais em um espaço de diálogo sobre gênero e suas interseções entre classe, raça, colonialidade, etnia, origem, opção sexual, etc.

Continuar lendo

convite palestra “Direito à cidade e gênero: a segregação urbana na prostituição”


No dia 18 de agosto estarei na Universidade Estadual de Campinas – Unicamp apresentando minha tese “‘PRETA, POBRE E PUTA’: a segregação urbana da prostituição em Campinas – Jardim Itatinga”, ganhadora do PRÊMIO CAPES DE TESE na área de Planejamento Urbano e Demografia. A apresentação, intitulada “Direito à cidade e gênero: a segregação urbana na prostituição”,  será na Faculdade de Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo- FEC, onde realizei minha graduação. A proposta é entender, partir do caso de Campinas, de que forma o movimento brasileiro de prostitutas vem reivindicando seu espaço na sociedade por meio, sobretudo, de ações relacionadas a luta pelo seu direito à cidade.

Venham e ajudem a divulgar!!!

Sexta, 18 de agosto às 14:00 – 16:00
Auditório da Faculdade de Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo – Unicamp
Avenida Albert Einstein, 951, 13083-852 Campinas

Link para evento : https://www.facebook.com/events/161568267740105/

 

O corpo que amamenta no espaço público

amamenta-na-cidade2_michele gouveia.jpg

foto de Michelle Gouveia – Projeto #AmamenteNaCidade

De 1 a 8 de agosto de 2017 aconteceu a Semana Mundial do Aleitamento Materno. Entre as diversas ações relativas a esse evento, muitas cidades no Brasil organizaram “Mamaços*” para levantar a importância do leite materno e reivindicar o direito à amamentar sem constrangimento. Isso porque o corpo que amamenta ainda é um elemento “fora de lugar” quando se encontra em espaços públicos. Mesmo que ninguém peça oficialmente para a mãe que se retire ou  que se cubra enquanto amamenta, muitas vezes ela se sente desconfortável com o olhar de repreensão das pessoas. Sob o pretexto de “ir para um lugar mais tranquilo”, as mulheres são, mais uma vez, levadas a se confinar na esfera privada e no espaço doméstico. Continuar lendo

Palestra “Urbanismo, Gênero e Cidadania” IFF/Campos (RJ)

Nesta quinta-feira, dia 27/7,  haverá uma palestra muito especial no IFF de Campos (RJ): Urbanismo, Gênero e Cidadania em comemoração ao Dia de Estudante de Arquitetura. Será apresentado o resultado do projeto de pesquisa A DIVERSIDADE NA CIDADE da Professora Daniela Bogado, Taynara Barcelos e Hervan Pires. Em seguida, haverá uma apresentação da minha tese “Indiferença a diferença: espaços urbanos de resistência na perspectiva das desigualdades de gênero”.

Estão todas(os) convidadas(os)! ; )

WhatsApp Image 2017-07-13 at 16.07.19

 

Teses das blogueiras do FEMINISMURBANA

livroA pedidos, resolvemos disponibilizar nossas teses diretamente pelo arquivo do blog. Algumas pessoas estavam com dificuldade de dar download pelos outros sites que estavam hospedando nosso trabalho. Além disso, desde a defesa de nossas teses, elas vem ganhando destaque no debates acadêmicos e interlocuções interessantes que acreditamos que podem ganhar potência coletiva e de promoção da temática de gênero na arquitetura e urbanismo. Acreditamos ser uma grande conquista uma delas ter ganhado o prêmio de melhor tese na área de planejamento urbano (Prêmio CAPES de Tese 2016), o que demonstra como o tema de gênero começa a ganhar espaço e sair da marginalidade nos debates sobre a cidade. Por isso, disponibilizamos aqui os resumos das teses e os arquivos completos para download. Este espaço também é de construção de aprendizagem, afeto e avanços. Adoraríamos saber a opinião das seguidoras de nosso blog sobre nosso trabalho!

Continuar lendo

“Direito à Cidade: uma visão por gênero” publicação do IBDU

Neste ano de 2017, em comemoração ao dia internacional da mulher, o Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU) publicou um material destinado especialmente ao debate entre espaço urbano e gênero, a partir da reflexão de diferentes mulheres sobre a cidade, sob temas e abordagens múltiplas. Segundo a introdução, esta é uma obra que « reúne diversas vozes ativistas, com diferentes vivências e trajetórias que participam da luta pelos direitos das mulheres. As autoras convidadas são mulheres que ajudaram a construir o IBDU ao longo dos anos, como integrantes da diretoria, colaboradoras da equipe técnica, associadas e parceiras ». São textos curtos, em formato eletrônico (disponível aqui), que agregam de forma plural temas relacionados ao direito à cidade das mulheres como: mobilidade, habitação, raça, políticas públicas, movimentos sociais, etc.

Continuar lendo