“Mujeres, casas y ciudades” novo livro de Zaida Muxí

DshOq4OXoAEwVfp

Convite para o lançamento do livro em Barcelona.

Dia 5 de dezembro de 2018 foi lançado no Brasil o livro “Mujeres, casas y ciudades – Más allá del umbral” (“Mulheres, casa e cidades – Para além do umbral”, tradução livre) da argentina Zaida Muxí Martínez, uma das pioneiras nos estudos urbanos de gênero entre as arquitetas e urbanistas. O livro acaba de ser publicado em Barcelona, em outubro de 2018, e ainda não tem tradução para o português.

Zaida Muxi nasceu em Buenos Aires, em 1964. Depois do doutorado realizado em Sevilha, passou a morar na Espanha, onde é professora de Urbanismo na Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Barcelona. Foi cofundadora do Col.Lectiu Punt 6 (saiba mais sobre esse coletivo de urbanistas feministas clicando aqui) e da rede de pesquisa Un día una arquiteta, que tem o objetivo de tornar visível a produção de arquitetas no mundo.

Continuar lendo

Anúncios

“Eu, arquiteta, faço greve no 8 de março de 2018” por Zaida Muxi

Repost de texto de Zaida Muxi no blog Fundación Arquia (Tradução: Diana Helene).

*****

“Eu não quero que as mulheres tenham poder sobre os homens, mas sobre si mesmas” Mary Wollstonecraft (1759-1797)

“Todas as desgraças do mundo provêm do esquecimento e do desprezo que até agora tem sido feito dos direitos naturais e essenciais de ser uma mulher” Flora Tristan (1803-1844)

8 de março1  é dia international das mulheres, na verdade da mulher, mas eu gosto de usar o plural, porque somos muitas e diversas, e, como vocês sabem existe uma convocatória mundial dos movimentos feministas para nós pararmos de trabalhar nesse dia, tanto na esfera do cuidado ou da reprodução como na esfera do trabalho remunerado ou da produção.

Sim, vou escrever sobre arquitetura e mulheres e porque estar em greve. Muitas pessoas em nosso grupo profissional pensam não haver diferenças entre homens e mulheres e, portanto, não seria necessário falar de gênero ou de mulheres, nem seria necessário, portanto, entrar em greve; mas eu considero que sim, é necessário, e tentarei dar alguns motivos.

Continuar lendo

O urbanismo feminista do Col·lectiu Punt 6

Ilustração da publicação “Noturnas”, um projeto do Col·lectiu Punt 6

O urbanismo feminista vem despontando como uma alternativa para se pensar a cidade e seus equipamentos coletivos de uma outra forma. Principalmente na busca de uma aliança das dicotomias entre a esfera produtiva e a esfera reprodutiva. A cooperativa Col·lectiu Punt 6, em Barcelona (Espanha), é uma referência nesse sentido. O grupo é coordenado pela Arquiteta e Urbanista feminista Zaida Muxi, professora da Universidade de Barcelona, e é composto de arquitetas, sociólogas e urbanistas.

Segundo a cooperativa, o urbanismo feminista desafia a premissa de que o planejamento é neutro. Nesse sentido, reafirma a ideia de que nossas cidades e bairros foram configurados por meio dos valores de uma sociedade capitalista e patriarcal, nos quais, é importante ressaltar, que esta forma física dos espaços urbanos contribui para perpetuar esses mesmos valores. Em resposta, o planejamento urbano feminista propõe práticas para transformar as divisões típicas das cidades capitalistas e patriarcais, que demostram a necessidade de repensar os espaços públicos a partir da ótica da vida cotidiana. Significa colocar a vida das pessoas no centro das decisões de planejamento por meio da participação da comunidade, sobretudo nos espaços onde “a vida acontece”: a casa, o bairro, os centros urbanos, os subúrbios e periferias. Continuar lendo