Teses das blogueiras do FEMINISMURBANA

livroA pedidos, resolvemos disponibilizar nossas teses diretamente pelo arquivo do blog. Algumas pessoas estavam com dificuldade de dar download pelos outros sites que estavam hospedando nosso trabalho. Além disso, desde a defesa de nossas teses, elas vem ganhando destaque no debates acadêmicos e interlocuções interessantes que acreditamos que podem ganhar potência coletiva e de promoção da temática de gênero na arquitetura e urbanismo. Acreditamos ser uma grande conquista uma delas ter ganhado o prêmio de melhor tese na área de planejamento urbano (Prêmio CAPES de Tese 2016), o que demonstra como o tema de gênero começa a ganhar espaço e sair da marginalidade nos debates sobre a cidade. Por isso, disponibilizamos aqui os resumos das teses e os arquivos completos para download. Este espaço também é de construção de aprendizagem, afeto e avanços. Adoraríamos saber a opinião das seguidoras de nosso blog sobre nosso trabalho!

Continuar lendo

“Sobre as mulheres negras faveladas e a mobilidade urbana” – por Marielle Franco

Capa da Revista Blooks número 4 - Março/Abril/Maio 2017

O texto da vereadora carioca Marielle Franco, intitulado “Sobre as mulheres negras faveladas e a mobilidade urbana” na revista Blooks é uma provocação interessante para o campo da mobilidade urbana, muito habituado ao debate tecnocrático sobre “eficiência ” realizado por figuras brancas e masculinas . A partir de sua experiência pessoal como moradora da favela Complexo da Maré e de uma perspectiva intersecional entre gênero, raça e classe, o texto traz de forma direta dados e reflexões sobre os rumos que esse debate pode tomar levando em consideração os problemas sociais nas favelas do Rio de Janeiro.

Você pode ler diretamente na versão online da revista Blooks (ver página 21) ou na transcrição abaixo:

Continuar lendo

As áreas exclusivas para mulheres no transporte público, o que fazer?

Uma polemica povoa o debate feminista no que cerne a relação direta da mulher com a cidade: a criação de áreas exclusivas para mulheres no transporte público. Com a recente aprovação da lei de vagões exclusivos para as mulheres em Brasília (2013), a controvérsia é aberta novamente. Mesmo sendo uma medida que visa proteger as mulheres de possíveis assédios, não há consenso de que seja uma boa iniciativa, inclusive entre as feministas. Para auxiliar no debate lançamos um enquete sobre o tema em novembro do ano passado, frente a uma nova polêmica em perfis e blogs feministas por conta da aprovação da lei em Brasília. Após ficar no ar por 4 meses (nov/2013 a fev/2014), fechamos a votação com pouco mais que 300 votos.

Gênero, desenvolvimento e território – Revista Territórios

redalyc_Logo

A Revista Territórios em linha da “Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal” [http://www.redalyc.org] lançou em 2007 uma edição dedicada ao debate de Gênero, Desenvolvimento e Território.

São 6 artigos dedicados ao tema que evocam a questão da cidade, sexismo, cidadania, participação, meio ambiente e a questão indígena a partir da perspectiva de gênero. Uma edição interessante que abrange o debate sobre território de forma ampla, revelando a importância e a magnitude na América Latina que o debate sobre gênero vem ganhando.

Continuar lendo

Artigos de autoras brasileiras: participação, arquitetura e planejamento

No post de hoje, indicamos 4 artigos produzidos nos anos 2000: dois sobre a questão da participação das mulheres no debate sobre política urbana e dois sobre a questão da habitação e do planejamento urbano. Continuar lendo

indicação de leitura: “Geografias Subversivas – discursos sobre espaço, gênero e sexualidades”

Este livro organizado pela geógrafa Joseli Maria Silva, com apresentação de Roberto Lobato Corrêa e prefácio de Maria Dolors Garcia-Ramon, mostra a capacidade de um grupo de pesquisa brasileiro, sediado em uma universidade ‘periférica’ (Universidade Estadual de Ponta Grossa), em se articular internacionalmente junto à Rede de Estudos de Geografia e Gênero da América Latina (REGGAL), e se tornar protagonista do debate de gênero e espaço.

Continuar lendo