Ser, fazer e acontecer – memórias de um processo

739286_739286Há algum tempo temos tido vontade de resgatar uma publicação muito importante para experiência de formação e militância de uma de nós: Ser, fazer e acontecer – mulheres e o direito à cidade, de Autoria Coletiva e organizado por Taciana Gouveia à época no SOS Corpo em Recife. Como ela mesmo diz, este livro “é em si mesmo um acontecimento por ser um ato inaugural de múltiplas possibilidades”. E esse era verdadeiramente o espírito do processo que culminou nesta publicação. Foram 2 anos de oficinas de formação com mulheres, em sua maioria, de ONGs, movimentos sociais urbanos e associação de moradores de diversos lugares do Brasil, diretamente envolvidas no Fórum Nacional de Reforma Urbana e parceiros da OXFAM GB, naqueles anos de 2007 e 2008 (senão me engano), ou seja, já se passaram 10 anos. As oficinas se constituíram também como uma oportunidade de articulação política de uma agenda de intervenção para a questão de gênero em outras redes e fóruns de reforma urbana. Até porque algumas participantes também ocupavam a cadeira de conselheiras no Ministério das Cidades.

Em especial para mim, essa publicação inaugura um caminho sem volta, o envolvimento intelectual, emocional e político com a temática de gênero na perspectiva do direito à cidade, além da construção de amizades para a vida!

Este livro é de fato de autoria coletiva, pois todos os artigos mesmo que autorais, tem um pouquinho de cada uma que se envolveu no processo, algumas apenas pontualmente, mas não menos importante.

São 7 artigos, entre eles:

  • Forma urbana e relações de gênero – Rossana B Tavares
  • A violência doméstica no contexto urbano – Josefa F. de Lima, Maria da Cruz Reis e Maria da Luz Fonseca
  • O cajueiro amigo: reflexões sobre o impacto dos despejos na vida das mulheres – Maria Leticia Oliveira e Maria de Lourdes da Silvia Barbosa com participação de Beth Ferreira
  • O plano diretor participativo e o direito das mulheres à cidade – Renato Cymbalista, Patrícia de M. Cardoso, Paula Freire Santoro com participação de Jane Casella
  • De dona de casa para dona da casa: os diversos papéis exercidos pelas mulheres nos processos de regularização fundiária de ocupações urbanas – Joisa Barreto e Marta Rebouças
  • O movimento de reforma urbana e sua relação com o movimento de mulheres  – Aldebaran Moura, Graça Costa e João Gomes

e a transcrição de entrevistas com as conselheiras do Conselho Nacional das Cidades durante oficina do Projeto Institucionalização da Dimensão de Gênero do Programa da OXFAM.

Não temos uma versão online do livro, mas é possível ter acesso na biblioteca da OngFASE, Cearah Periferia, Instituto Pólis, SOS Corpo, ou sebos.

Vale a pena pesquisar, especialmente para quem está iniciando pesquisas ou estudando a problemática das mulheres a partir das questões urbanas no Brasil.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s